Foto: © OCEANA / Enrique Talledo

 

A experiência da Oceana em contribuir para a construção de políticas públicas de proteção marinha foi tema de painel na quarta edição do Congresso Brasileiro de Direto do Mar, organizado pela Universidade de São Paulo (USP). O evento começou nesta quinta (26) e segue até sábado.

A cientista marinha da Oceana, Lara Iwanicki, falou sobre as campanhas de advocacy da organização e conquistas em prol dos oceanos. “A conexão entre academia e terceiro setor é fundamental para embasar a construção de políticas públicas. Essa colaboração traz a sociedade para o processo de tomada de decisões que garantam um oceano limpo, abundante e equilibrado”, afirmou Lara Iwanicki.

“Advocacy” é o termo usado para se referir ao conjunto de ações e estratégias a fim de apoiar uma causa. Essas ações têm o objetivo influenciar na formulação e implementação de políticas públicas que atendam às necessidades da população. 

Entre as conquistas da sociedade com apoio da Oceana está a Política Estadual de Desenvolvimento Sustentável da Pesca (Lei 15.223/2018), que entre outras medidas proíbe a pesca de arrasto no mar territorial do Rio Grande do Sul. “A lei representou  uma vitória para os oceanos e para o setor pesqueiro. Ela é o reflexo da participação social e embasamento científico”, afirmou Lara.

Poluição por plásticos

Além de compartilhar a experiéncia da Oceana na formulação de políticas públicas para o oceano, Lara apresentou a campanha pela redução da poluição marinha por plásticos. Estima-se que 8 bilhões de quilos de plástico entrem no ambiente marinho por ano, o equivalente a um caminhão de lixo por minuto. “O Brasil tem a responsabilidade no combate à poluição por plásticos. Precisamos impedir que materiais desnecessários, especialmente os de uso único continuem a ser produzidos”, alertou Iwanicki.

A Oceana defende a redução na produção de plásticos descartáveis como caminho  para diminuir a pressão sobre os oceanos. É preciso também que as empresas ofereçam ao consumidor alternativas sem plástico com preço acessível.

A seguir:

Relatório intergovernamental destaca necessidade de mais transparência para combater o crime organizado no mar

Ler próximo artigo