Um time de primeira grandeza compõe a banca de jurados do I Concurso de Fotografia da Oceana no Brasil. O fotógrafo Luciano Candisani, a recordista mundial de surfe em ondas gigantes Maya Gabeira, o artista Oskar Metsavaht, a jornalista Paulina Chamorro e o repórter cinematográfico Paulo Zero aceitaram o desafio. Eles vão selecionar as imagens que melhor retratem a beleza e a importância dos oceanos para diversas espécies marinhas e para a humanidade.

Além da paixão pelo mar, em comum eles têm a dedicação às questões ambientais, como a conservação da biodiversidade marinha. Jornalista especializada em temas socioambientais, Paulina Chamorro lembra que o oceano une todos os povos. “A nossa reconexão com o oceano tem que ser feita pelo reconhecimento de que a vida no planeta, o equilíbrio climático e o oxigênio que respiramos também dependem dele” .

Recordista mundial de surfe em ondas gigantes, Maya Gabeira é uma importante influenciadora na questão da proteção da vida marinha. “Temos grandes desafios para proteger os oceanos e viver em harmonia com ele, sendo a poluição um dos maiores, tanto por plásticos, como resíduos e petróleo”.

Com o tema “Meu lar é o mar: retratos da vida nos oceanos", o concurso premiará três imagens. O primeiro colocado levará para casa um Drone Dji Spark; o segundo receberá uma GoPro Hero 7 Black; e o terceiro lugar ganhará um estabilizador para filmagem em celular. Todos os três receberão, também, um kit completo da Oceana com bolsa, caneca, camiseta, cadernetas, lápis, caneta e adesivo.

As inscrições podem ser feitas até 15 de maio. A divulgação do resultado está prevista para o Dia Mundial dos Oceanos, 8 de junho, por meio dos canais da Oceana Brasil no Facebook, Instagram e Twitter.

Confira o perfil dos jurados:

Luciano Candisani
Fotógrafo e cinegrafista

Dedicado a contar histórias do mar há 25 anos, é reconhecido pelo estilo singular de trazer a informação documental em narrativas visuais de forte poder estético, muitas delas premiadas no Brasil e no exterior. Já trabalhou em todos os oceanos do planeta, até mesmo nas regiões polares no Ártico e Antártica. O mar é um tema recorrente em sua produção artística e o elemento água aparece com força em sua motivação criativa. É autor do livro fotográfico “Atol das Rocas”, produz reportagens fotográficas para publicações internacionais, entre as quais a National Geographic. Recebeu, em 2012, o prestigioso prêmio  Wildlife Photographer of the Year, concedido pelo Museu de História Natural britânico. Integra também o coletivo Sea Legacy, entidade que reúne fotógrafos submarinos.

Imagem: @lucaspupo


Maya Gabeira
Recordista mundial de surfe em ondas gigantes

Maya é a primeira mulher a surfar no mar do Alasca e nomeada pelo livro dos recordes como a primeira a surfar a maior onda já registrada – 20,7 metros de altura, em Nazaré, Portugal. Além disso, ela é uma influência importante no trabalho de conscientização sobre a proteção dos oceanos e atua ativamente em prol das causas da Oceana. Ela e o mar estão intimamente ligados. “O mar para mim significa meu trabalho, minha diversão, é onde já passei por grandes dificuldades, mas também por grandes vitórias”.

Imagem: OCEANA


Oskar Metsavaht
Artista e ativista ambiental

Oskar é fundador e diretor de criação e estilo da Osklen e do studio OM.art, onde reúne seu ateliê de artes plásticas, um espaço expositivo e seu estúdio para desenvolvimento e produção de projetos de arte. Além de ativista ambiental, também é fundador e presidente do Instituto-E, organização não governamental que promove desenvolvimento humano mais sustentável por meio de projetos socioambientais. É embaixador da Boa Vontade da Unesco para cultura de paz e sustentabilidade.

Imagem: divulgação


Paulina Chamorro
Jornalista socioambiental


Com mais de duas décadas na cobertura de temas socioambientais, Paulina é cofundadora da Liga das Mulheres pelos Oceanos e apresenta o podcast Vozes do Planeta, no ar desde 2016. Colaboradora fixa da National Geographic Brasil desde 2017, traz a experiência de ter sido responsável pela criação de projetos de comunicação ambiental no Grupo Estado. Apresentou programas sobre temas ambientais na Rádio Eldorado, onde também foi coordenadora de projetos especiais de sustentabilidade, alguns emblemáticos como o Pintou Limpeza. Foi produtora e repórter do projeto Mar sem Fim, percorrendo a costa brasileira de veleiro durante três anos. Recebeu duas vezes o Prêmio Socioambiental Chico Mendes, como melhor programa de rádio.

Imagem: divulgação


Paulo Zero
Repórter cinematográfico


Aos 20 anos, ainda cursando cinema no New York Institute of Technology, Paulo Zero foi fazer um estágio como repórter cinematográfico na Globo NY. Aos 21 anos cobria a crise dos reféns no Irã, seguindo para guerrilhas na Guatemala, El Salvador, guerra civil na Nicarágua, massacre de Ruanda, Guerra do Golfo. Cobrindo guerra ou ciência, Paulo sempre encontrou a imagem que significava o tema – aquele momento em que toda a carga de informação e emoção se encontram num frame. "Mas é no mar, mergulhando com baleias ou tubarões, seguindo o rastro dos corais embranquecidos, observando iguanas ou dançando com lobos marinhos, que sinto realizar um trabalho de jornalismo de imagem transformador: a revelação dos impactos da ação humana nos oceanos e na preservação das espécies".

Imagem: divulgação


 

A seguir:

Oceana disponibiliza documentário sobre Arquipélago de Juan Fernandez com legendas em português

Ler próximo artigo