Manifesto Azul é lançado para recuperar saúde dos oceanos até 2030



11 Fevereiro 2020

Foto: Eduardo Sorensen | OCEANA

Movimento liderado pela Oceana, Mares em Risco, BirdLife Europe, ClientEarth, Surfrider Foundation Europe e WWF lançou o Manifesto Azul, um documento que estabelece ações para recuperar os oceanos da degradação e da poluição, com medidas voltadas tanto para a terra quanto para o mar. A iniciativa reúne ao todo 102 organizações não governamentais e esteve em discussão na Semana do Oceano 2020, realizada de 3 a 9 de fevereiro, em Bruxelas, na Bélgica.

A proposta é colocar os holofotes sobre as ameaças enfrentadas por espécies e habitats marinhos, oferecendo soluções reais sobre como resolvê-las. As organizações convidam cidadãos, instituições e partes interessadas a discutir os desafios enfrentados pelos oceanos e comunidades costeiras. 

O Manifesto foi enviado aos líderes da União Europeia (UE) e exige:

• Mudança completa de todas as pescarias para modalidades de baixo impacto; 
• Fim da poluição marinha;
• Implementação de atividades humanas que apoiem a restauração de ecossistemas marinhos; e  
• Proteção de pelo menos 30% dos oceanos até 2030.

A situação dos ecossistemas marinhos em todo o mundo é preocupante, como referido pelos recentes relatórios divulgados pelo Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas e pela Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas da ONU sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos.

De acordo com as organizações, seguir as recomendações apresentadas no Manifesto Azul colocará a Europa no caminho certo para preservar os oceanos que são fundamentais para a vida na Terra.

Com o Pacto Ecológico Europeu, a Comissão Europeia comprometeu-se a implementar estratégias reais de clima e biodiversidade que mudarão o investimento e a legislação para um futuro resiliente e ecologicamente diversificado. As ONGs pedem agora à Comissão Europeia a garantia que o oceano seja parte integrante dessas estratégias, seguindo as diretrizes propostas no Manifesto.