Sam Waterston e Oceana alertam para os perigos do plástico no mar



15 Junho 2020

No Dia Mundial dos Oceanos, 8 de junho, a Oceana lançou um anúncio protagonizado pelo ator Sam Waterston, membro do Conselho da Organização, sobre os perigos da poluição dos oceanos por plásticos e a necessidade de as empresas oferecerem opções sem plástico aos consumidores.

“Nossos oceanos sustentam uma vida que poderia alimentar um bilhão de pessoas com uma refeição saudável de frutos do mar todos os dias, para sempre. Mas eles estão sendo mortos e cheios de plásticos descartáveis​​”, disse Waterston. “Não deveríamos ser forçados a poluir o oceano toda vez que comemos, bebemos ou vamos a uma loja. Precisamos ter opção – uma opção sem plástico”, completou o ator, intérprete do personagem Sol Bergstein na série Grace e Frankie.

Oito milhões de toneladas de plástico entram no oceano todos os anos – o equivalente a um caminhão de lixo cheio sendo jogado a cada minuto. Esse lixo plástico acaba se distribuindo pelo mundo todo – em praias remotas, flutuando na superfície do oceano e a quilômetros de profundidade no fundo do mar.

“O plástico nunca desaparece. Quando a embalagem do refrigerante que você toma, seu canudo ou sua embalagem de bala são jogados no oceano, eles ficam lá para sempre”, acrescentou. “As tartarugas marinhas estão sufocando com ele, baleias e golfinhos o ingerem, e até o zooplâncton, base da cadeia alimentar oceânica, é afetado.”

LIVRE DE PLÁSTICO

Embora seja apontada como a solução para o desperdício de plástico, a reciclagem não tem como resolver esta crise. Apenas 9% de todo o lixo plástico já gerado foi reciclado. “Não conseguiremos resolver esse problema reciclando”, disse Andrew Sharpless, CEO da Oceana. “Fabricou-se mais plástico na década anterior do que em todo o século passado, e ele está inundando nossos oceanos a um ritmo alarmante. Os consumidores devem ter opções livres de plástico, em vez da falsa esperança e da culpa geradas pela reciclagem.”

O diretor-geral da Oceana no Brasil, Ademilson Zamboni, reforça que o caminho mais eficaz para reduzir os impactos do lixo plástico no mar passa, necessariamente, por medidas que reduzam a produção do material. “Imagine uma banheira que está transbordando de água. A primeira coisa que se faz é fechar o registro para depois esvaziar e consertar. Com o lixo plástico é a mesma coisa”, exemplifica.

O diretor lembra ainda que o Brasil é o 4º produtor de plástico no mundo, tornando-se assim um importante protagonista da agenda. “Os governos precisam implementar políticas de redução de plástico. Empresas precisam oferecer alternativas, e o consumidor tem o direito de escolher não levar plástico para casa - somente assim iremos proteger os ecossistemas e, consequentemente, a saúde humana”, completa Zamboni.

Os interessados ​​em saber mais sobre as campanhas da Oceana no mundo podem visitar oceana.org/plastics.

O anúncio com Sam Waterston está disponível em oceana.org/sam-waterston-plastic-free e será exibido na televisão e no rádio canadenses.