Grupo de trabalho irá monitorar a pesca da tainha



29 Maio 2018

Foto: Matias Quinteros

Nesta terça-feira (29), foi instituído comitê formado por governo e sociedade civil para monitorar a pesca da tainha em 2018. O grupo tem como responsabilidade acompanhar a safra e apontar quando as capturas alcançarem os limites estabelecidos para este ano, fixado em aproximadamente 3.400 toneladas. Estarão sendo acompanhadas pelo grupo a pesca industrial de cerco/traineiras e a pesca artesanal de emalhe anilhado, com base em dados de entrada de tainha nas indústrias de Santa Catarina. Quando as cotas forem alcançadas, o grupo recomendará o fechamento da pescaria.

O Comitê é composto por representantes da Secretaria Especial da Aquicultura e Pesca (SEAP/PR), do Ministério do Meio Ambiente (MMA), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos (IBAMA), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), da Organização Não-Governamental OCEANA, do Sindicato dos Armadores e das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região (SINDIPI), do Coletivo Nacional da Pesca e Aquicultura, do Conselho Pastoral dos Pescadores (CPP), e da Associação dos Pescadores Profissionais Artesanais de Emalhe Costeiro de Santa Catarina (APPAECSC).

De acordo com o diretor geral da Oceana no Brasil, Ademilson Zamboni, a instalação do grupo é um passo fundamental para concretizar os avanços no ordenamento da pesca da tainha no país traduzidos na adoção das cotas de captura e avaliação de estoque periódicas. “O comitê de monitoramento tem o importante desafio de acompanhar de perto a aplicação dos instrumentos de gestão da pesca dessa espécie e ajudar a garantir o futuro dessa pescaria. A Oceana tem orgulho de fazer parte desse processo” concluiu.